Menu

R$ 95 MIL - Guimarães nega ter recebido propina de dono da Engevix para liberar verbas no BNB


Mais um escândalo atinge o líder da Minoria na Câmara dos Deputados, deputado José Guimarães. O delator do escândalo dos consignados em Brasília, o ex-vereador Chambinho, que levou para a cadeia o ex-ministro das Comunicações, Paulo Bernardo denunciou em depoimentos, ter pago uma propina de R$ 95 mil a Guimarães em troca do apoio a um empréstimo conseguido junto ao Banco do Nordeste do Brasil(BNB), durante a gestão Roberto Smith para a empreiteira Engevix.
Guimarães, através da assessoria de imprensa, nega peremptoriamente ter se beneficiado do recebimento de qualquer verba ilegal, seja dada ou doada, pelo então vereador do PT ou pela empreiteira. Para o parlamentar, é mais um ataque à sua imagem sem provas que visa a atingi-lo às vésperas de um momento político decisivo, com a votação do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado e das eleições municipais no Brasil.
Apesar de rejeitar qualquer envolvimento com esse crime da Engevix, Chambinho relatou que através do então tesoureiro do PT, Paulo Ferreira, hoje preso, conseguiu uma audiência com o deputado José Guimarães. No encontro, solicitou apoio para conseguir recursos para a Engevix desenvolver um projeto de energia eólica. Foram liberados R$ 260 milhões. Em troca dessa ajuda, Chambinho deu dois cheques a Guimarães: um de R$ 30 mil e outro de R$ 65 mil. O parlamentar cearense rejeita essa versão.
O Ministério Público Federal, ao que parece concordou, com esse posicionamento, pois Guimarães já prestou depoimento, e, durante a operação Custo Brasil que prendeu todos os denunciados por Chambinho, não houve nenhuma consequência para o hoje líder da Minoria na Câmara dos deputados.
Fonte: Ceará News 7