Menu

Guardas municipais retiram “na marra” verdureiro que comercializava seus produtos no Centro de Quixadá

  O Brasil vive uma de suas maiores crises da história, com taxa de desemprego de 12,3%, o país tem atualmente quase 13 milhões de desempregados. Em Quixadá, a situação não é muito diferente, faltam vagas e sobram pessoas em busca de uma oportunidade para ingressar no mercado de trabalho. Aqueles que não conseguem se inserir no mercado formal, se veem obrigados a buscar outras alternativas e fontes de renda.

Na terra dos monólitos, por falta de melhores opções, a única fonte de renda de muitas famílias, vem da comercialização de frutas e verduras,  e de outros objetos, no Centro da cidade.

Na manhã desta quinta-feira (06), um destes comerciantes que vende suas verduras em um carrinho foi alvo de uma abordagem truculenta e despreparada da Guarda Municipal de Quixadá.

O mesmo ao se negar a entregar o carrinho de verduras de onde tira seu ganha pão, foi agredido e recebeu voz de prisão por parte dos agentes. As pessoas que passavam pelo local ficaram estarrecidas e boquiabertas com a forma com que o cidadão foi abordado e tratado pelos guardas que estavam a serviço da Prefeitura de Quixadá.

Para não ser preso, o cidadão que apenas queria trabalhar e garantir o sustento de sua família, teve que se evadir do local do acontecido, e teve meio de sustento levado pelo Departamento Municipal de Trânsito.

Em um áudio que circula nas redes sociais, um dos guardas municipais que se envolveu no caso deu sua versão sobre o caso, segundo ele o verdureiro já havia sido orientado a ir vender seus produtos na feira das frutas e verduras, o mesmo não teria seguido a orientação que lhes foi repassada, e continuou no mesmo local.

O guarda municipal diz que o verdureiro estaria armado com uma faca, o trabalhador nega o fato, disse que apenas queria trabalhar.