Menu

Bolhas na pele de bebês aumentam risco, em caso de chikungunya

   
O aparecimento de bolhas na pele, parecidas com queimaduras, é um dos sintomas perigosos da chikungunya em crianças, principalmente aquelas com menos de seis meses. As lesões podem representar porta de entrada para infecções bacterianas. Um dos alertas é também para gestantes que são acometidas pela doença em até dez dias antes do parto. O vírus pode ser transmitido para o bebê durante o nascimento e causar alterações neurológicas graves, além de infecção generalizada. 

Este ano, foram registrados 140 casos de febre chikungunya em crianças com menos de um ano e 220 na faixa etária entre um e quatro anos. O aparecimento de bolhas não é exclusivo às crianças pequenas, pode acontecer em outras faixas etárias, inclusive em adultos. “Mas no bebê, a pele é importante para manter o equilíbrio de hidratação e proteção. Se ele perde uma camada da pele e uma bactéria entra, há produção de toxinas que causam danos graves”, explica o infectologista infantil Robério Leite.

No Hospital São José, onde o infectologista trabalha, algumas crianças chegaram a ter 70% do corpo tomado pelas lesões. Conforme Robério, apenas um óbito de bebê com chikungunya foi registrado na unidade. 

Em Recife, ainda em 2015, casos de chikungunya em bebês já despertavam a atenção dos médicos. De acordo com a infectologista pediátrica do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), Regina Coeli, as crianças diagnosticadas na época tiveram recuperação plena e nenhum óbito teria ocorrido. A preocupação maior, conforme ela, é com as gestantes que adquirem a doença pouco antes de dar à luz. “Essa criança, em torno de três a cinco dias após o nascimento, pode desenvolver uma infecção grave, inclusive alterações no encéfalo, menigoencefalite e até sepse”, conta.

Se a mãe teve a doença ao longo da gestação, os riscos são menores, mas precisam ser monitorados. Por pelo menos dois anos a indicação é que a criança seja acompanhada em seu desenvolvimento, principalmente o neurocognitivo. “Até o momento não foi apresentada nenhuma má formação, como na zika. O bebê, após o nascimento, só consegue adquirir algum tipo de anticorpo depois de dez dias, por isso sua vulnerabilidade no momento do parto.   Fonte O Povo Online.